13 a 24 ABR 2018

L.I.B.E.R.D.A.D.E.

Um cine-teatro em nove letras

 

94ª Criação do Teatro da Garagem
Textos Miguel Torga
Encenação Carlos J. Pessoa

 

30 JAN – 3 FEV 2018 | Residência Artística em São Martinho de Anta, Vila Real e Bragança
16 – 19 MAR 2018 | Residência Artística em Bragança e Vila Real
13 & 14 ABR 2018 | 14h30 e 21h00 | Teatro Municipal de Bragança (ESTREIA)
[vinte e sete – Festival de Teatro]

20 & 21 ABR 2018 | 14h30 e 21h30 | Teatro Municipal de Vila Real
[vinte e sete – Festival de Teatro]

24 ABR 2018 | 14h30 e 21h30 | Teatro Académico Gil Vicente
[20ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra]

A palavra Liberdade é o mote deste espetáculo sobre Miguel Torga. A soletração de Liberdade, constitui o nexo da proposta dramatúrgica; cada letra corresponde ao início de uma outra palavra que entendemos necessária, constitutiva, do conteúdo semântico da Liberdade.

 

Os textos de Miguel Torga utilizados neste espetáculo são, na esmagadora maioria, ditos por crianças de Vila Real e de Bragança; quisemos que as palavras do poeta encontrassem nas vozes inocentes o seu devido lugar; sem virtuosismos nem enfeites desnecessários, vozes puras a descobrirem as letras, as palavras, as frases e os sentidos, sem preconceitos ou pompa. Quisemos que as novíssimas gerações transmontanas, na sua pureza livre, pudessem descobrir o autor sem censurar os “erros” de leitura. Esse magnífico soletrar, gaguejar ou, ainda, não perceber o sentido, mas ficar, atónito, espantado, constitui, estamos em crer, a melhor homenagem às palavras vivas de Miguel Torga.
Do mesmo modo não quisemos celebrar a paisagem transmontana numa evocação de “postal”; preferimos assim um discurso cénico assente na evocação metafórica, ou metonímica, na elaboração de um olhar que reverbera e ecoa, lançando uma neblina de invisibilidade passível de capturar a dimensão misteriosa da escrita torguiana; nenhuma imagem é, por conseguinte, literal, tratam-se, outrossim, de sequências fotogramáticas que pontuam, por si só, a possibilidade de um léxico visual, para que cada espectador descubra a “sua” montanha, o “seu” rio, a “sua” L.I.B.E.R.D.A.D.E, o “seu” Torga.

 

Carlos J Pessoa

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA
Textos Miguel Torga Encenação, Dramaturgia e Conceção Plástica Carlos J. Pessoa Interpretação Afonso Viriato, Ana Palma, Lara Matos, Maria João Vicente, Tiago Bôto e Wagner Borges Participantes de Sabrosa (Escola EB2,3 Miguel Torga) Bruno Pinto, Catarina Carvalho, Diogo Januário, Diogo Nóbrega, Francisca, Laura Alves, Mafalda Rodrigues
Participantes de Vila Real (Escola Básica do 1º Ciclo nº7 de Vila Real) Afonso Matias, Beatriz Pereira, Bruna Costa, Carolina Nascimento, Diego Dinis, Diogo Catarino, Fernando Pereira, Guilherme Alvadia, Ivan Balsa, João Paulo Fonseca, Lara Cruz, Laura Simão, Maria Fernandes, Pedro Feliciano, Pedro Martins, Rodrigo Pinto, Sara Matias, Soraia Fernandes Participantes de Bragança (Escola Básica e Secundária Miguel Torga) Adriana Alves, Beatriz Torrão, Carolina Esteves, Clara Dias, David Pérez, Inês Fonseca, João Kol, João Lobão, Manuel Madeira, Margarida Versos, Maria Inês Vaz, Maria Relvas, Mariana Brás, Mariana Pires, Marta Genésio, Marta Sabim, Matilde Alves, Pedro Ferreira, Rodrigo Versos, Tiago Barreira, Tiago Rodrigues Participantes de Bragança (Universidade Sénior) Adélia Ferreira, Albertina Cristóvão, Alda Flaire, Carlos Genésio, Elza Pires, Ema Rodrigues, Ernesto Rodrigues, Fernando Costa, Filomena Nascimento, Francisco Barreira, Helena Ferreira, José Alberto Alves, Maria Fátima Corujas, Sérgio Nascimento Música Original e Sonoplastia Daniel Cervantes Cenografia e Figurinos Sérgio Loureiro Desenho de Luz Nuno Samora Operação de Luz Manuel Abrantes Técnico de Vídeo Marília Maia e Moura Direção de Produção Maria João Vicente Produção e Comunicação Carolina Mano Assistência de Produção e Fotografia Marília Maia e Moura

 

Este espetáculo é uma encomenda do Teatros Municipais de Bragança e Vila Real, no âmbito do projeto Algures a Nordeste.
Coprodução Teatro Académico Gil Vicente


Duração 70 minutos | M/12