11 A 21 JAN 2018, 21h30

A VIDA COMO ELA É

 

92ª Criação do Teatro da Garagem
Versão apresentada na Extensão em Portugal do FESTLIP – Festival Internacional de Teatro da Língua Portuguesa em 2018
Contos de Nelson Rodrigues
Encenação de Carlos J. Pessoa

 

11 A 21 JAN 2018 | 21h30 | TEATRO TABORDA

PREMIO INTERNAZIONALE

Il “Teatro Nudo” di Teresa Pomodoro | 2018

O espetáculo A VIDA COMO ELA É, aqui retomado num conjunto alargado de cinco histórias e num elenco de três atrizes, Ana Palma, Inês Lago e Teresa Vaz, aprofunda a obsessão de Nelson Rodrigues por triangulações pícaras, eivadas de um erotismo mórbido, que acentua o carácter de exposição do desejo.

 

As mulheres em Nelson Rodrigues acrescentam à volúpia e à vingança, uma aura sobrenatural, povoada de monstruosidades ameaçadoras, figuras fantasmagóricas profundamente carnais, numa alusão ao poder mágico, à transição demoníaca entre morte e vida. As graças de Nelson Rodrigues não são, portanto apenas engraçadas, são sobretudo perigosas, figuras de aniquilação e contágio, figuras de adivinhação e conluio secreto, de desígnio proibido, agentes de vodu e regresso apocalíptico dos mortos, enfim, de preconceito reacionário, voluntariamente assumido pelo autor.

 

Se esta forma peculiar de olhar a mulher diz muito mais sobre uma espécie de impotência masculina, de um olhar assustado de menino espreitando debaixo das saias das senhoras, que nunca terá crescido, surpreso e esmagado por tanta origem revelada, também não deixa de ser sintomática uma alegria genuína, um gosto de comédia desempoeirada, um querer brincar e apenas isso.

 

Carlos J. Pessoa

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

 


Contos de Nelson Rodrigues Encenação Carlos J. Pessoa Dramaturgia Ana Palma Interpretação Ana Palma, Inês Lago e Teresa Vaz Cenografia e Figurinos Sérgio Loureiro Música Daniel Cervantes Desenho de Luz Nuno Samora Direcção de Produção Maria João Vicente
Produção e Comunicação Carolina Mano Assistência de Produção e Fotografia Marília Maia e Moura

 

DURAÇÃO 60 minutos | M/16