Author

admin

Browsing

SERVIÇO EDUCATIVO

09 e 10 de DEZ | SEX E SÁB | 16h30 | Teatro Taborda

Este é um espectáculo para a família, crianças e adultos. Zezinha é a filha do mágico, e é aprendiz de ilusionismo. Um dia, percebe que está sozinha e repara que algo mudou, ou o circo encolheu ou ela ficou maior. Aqui todas as ideias que passam pela cabeça de uma criança perante um problema tomam forma num dia pouco “normal” no Circo Faísca.

Zezinha terá que resolver esta situação contando apenas com a ajuda do seu pensamento e da sua consciência. Tudo isto pode ser uma grande trapalhada, mas a menina do circo está determinada em resolver o problema.

Ficha Artística e Técnica

Texto de Ana Dias e Herlandson Duarte
Criação Serviço Educativo
Interpretação Ana Dias
Operação de Luz e Som Jorge Humberto Oliveira
Cenografia e Figurinos Herlandson Duarte
Fotografia Vitorino Coragem
Comunicação José Grilo
Direção de Produção Raquel Matos
Produção Executiva Camila Roveda 

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

PROMOTOR: TEATRO DA GARAGEM

SERVIÇO EDUCATIVO

02 e 03 de DEZ | SEX E SÁB | 16h30 | Teatro Taborda

Textos antigos, cartazes e documentos inutilizados transformados em teatro para a infância. Teatro de Papel estimula a imaginação pelas boas práticas de reutilização de materiais. Vestígios de uma vida de consumo são matéria-prima de cenários que alojam histórias e contos tradicionais e onde se imaginam e constroem histórias próprias, desenvolvendo a motricidade fina.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Baseado na Obra de Rubem Alves – A Menina e o Pássaro Encantado
Conceito Ana Palma, Herlandson Duarte
Direção Plástica Herlandson Duarte
Construção e Desenvolvimento Ana Dias, Mariana Índias, Herlandson Duarte
Texto e Adaptação Ana Palma, Ana Dias, Mariana Índias, Herlandson Duarte
Desenho de Luz e Encenação Herlandson Duarte
Fotografia Vitorino Coragem
Comunicação José Grilo
Direção de Produção Raquel Matos
Produção Executiva Mafalda Ferraz

Criação Teatro da Garagem
Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

ACOLHIMENTO NO TEATRO DA GARAGEM

24 E 25 OUT| 19H30 | SEX e SÁB | Teatro Taborda

Num lugar inóspito, uma velha bomba de gasolina e uma cabana, também muito consumida.

À noite, dois casais – que não se conhecem [Oliveira e Marina, Dulce e Adriano] – procuram gasolina para os seus carros, insolitamente parados algures na serra, mas as bombas não servem gasolina há muito e os proprietários – dois irmãos [Raposo e Mateus] – são tão enigmáticos quanto a própria vida.

Nessa noite, a vida acontece ao sabor do enigma.

Razão e sentidos enlaçam-se em capricho e, até com humor, tanto podem inquietar como esclarecer. Natureza e humanidade: que força tem o amor? A mesma do destino?

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto e direção: Abel Neves
Assistência de direção: Rui Nuno
Cenografia e Figurinos: Helena Calvet
Desenho de Luz: António Rebocho
Música e design sonoro: Carlos Alberto Augusto
Interpretação: Ana Meira, Hugo Olim, Ivo Luz, Jorge Baião, José Russo e Maria Marrafa
Operação luz e som: Fabrisio Canifa
Produção executiva e Direção de Cena: Beatriz Sousa
Direção de produção: Claúdia Silvano
Comunicação: Helena Estanislau
Fotografia: Carolina Lecoq
Design gráfico: Alexandra Mariano
Acolhimento Teatro da Garagem

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

PROMOTOR: TEATRO DA GARAGEM

ACOLHIMENTO NO TEATRO DA GARAGEM

OUT 20, 21 | SEX e SÁB às 19h30 e às 21h | 22 DOM às 16h30 e às 18h | Teatro Taborda

Que responsabilidade tens na subida do nível do mar nos oceanos? O que fazes para alterar isso? Ou, qual foi a última coisa que desapareceu da tua vida? E o que desapareceu completamente em ti? Em TUVALU ou o Desaparecimento das Coisas, o público será convidado a entrar num espaço dedicado à reflexão sobre o mundo em que vivemos, numa experiência intimista e sensorial. Será conduzido num percurso habitado por vozes que levantarão questões sobre o Tempo, a Existência, a Mudança e a Resiliência e necessitará em momentos específicos de ativar a obra, tendo um papel ativo durante quase toda a experiência. TUVALU é uma ilha-país, que devido à crise ecológica corre o risco de ser submersa pelas águas oceânicas do Pacífico, a partir deste paraíso perdido, assistiremos ao nosso próprio submergir num espetáculo multidisciplinar, com uma visão de um futuro próximo, perdido.”

Ficha artística e técnica

Ficha artística e técnica

Criação Marina Leonardo e Nuno M Cardoso.

Realização Marina Leonardo.

Textos originais Jorge Palinhos, Marina Leonardo, Rui Pina Coelho, entre outros.

Dramaturgia Nuno M Cardoso.

Direção Técnica e Desenho de Luz Luís Silva.

Instalação e cenografia Marina Leonardo e Nuno M Cardoso.

Sonoplastia Pedro Almendra.

Vídeos Joana Teixeira e Marina Leonardo.

Vozes Ana Luísa Delgado, Luísa Osório, Marina Leonardo, Nuno M Cardoso, Pedro Almendra e Raquel de Lima.

Fotografia Nuno M Cardoso.

Cartaz Raquel Araújo.

Produção executiva Luísa Osório.

Produção AMANDA | Medida Anónima – Núcleo com Buganvílias Coletivo.

Apoios financeiros DGArtes, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação GDA.

Apoio às Residências AJAGATOPolo das Gaivotas | Residências da Boavista; Artistas no Palácio – Câmara Municipal de Vila Franca de Xira | Companhia Teatral Inestética.

Acolhimento Teatro da Garagem.

Agradecimentos CAMPUS, Câmara Municipal do Porto,Circolando.

ACOLHIMENTO NO TEATRO DA GARAGEM

23 e 24 de SET | SÁB e DOM | 21h30 | Teatro Taborda

SPAfrica, de Julian Hetzel e Ntando Cele

Em estreia nacional, Julian Hetzel e a sul-africana Ntando Cele apresentam “SPAfrica”, espetáculo sobre empatia e extrativismo que investiga os mecanismos problemáticos e o racismo oculto da engrenagem capitalista. O projeto introduz um gesto duplo sobre a extração de “empatia líquida” e a transação de recursos entre a Europa e África – água por lágrimas e lágrimas por água –, justapondo a exploração de recursos naturais e emocionais pelo neoliberalismo. Será o trauma o novo ouro das artes?

 FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Conceito: Julian Hetzel e Ntando Cele
Direção: Julian Hetzel
Performance: Ntando Cele
Dramaturgia: Miguel Angel Melgares
Assessoria artística: Sodja Lotker, Khanyisile Mbongwa
Música e composição: Frank Wienk
Desenho de luz: Nico de Rooij
Coordenação técnica: Cesco van der Zwaag, Martijn van Nunen, Bea Verbeek
Técnicos: Simon Kelaita, Wout Jansen
Soluções técnicas: Merijn Versnel, Guido Bevers
Direção de produção: Marieke van den Bosch
Produção Cidade do Cabo: Lungile Mbongwa
Galerista Cidade do Cabo: Mpilo Ngcukana
Assistente de produção: Jana Riese
Assistente de figurino: Merel van Erpers Roijaards
Máscaras: Carly Heathcote
Maquiagem: Julia Markow
Adereços: Saskia Hartog
Documentação videográfica: Reynold Reynolds, Bongeka Ngcobo
Fotografia: Alexandra Masmanidi, Anouk Maupu

Acolhimento Teatro da Garagem

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

TEATRO DA GARAGEM E YELLOW STAR COMPANY

16 e 17 de SET | SÁB e DOM | 21h | Taguspark

Abano, de Teatro da Garagem e Yellow Star Company

ABANO é um espetáculo solidário com a causa dos refugiados em Portugal, feito em coprodução entre o Teatro da Garagem (TG) e a Yellow Star Company (YSC) com o intuito de “abanar”, isto é, alertar para os dramas relacionadas com os refugiados que chegam a Portugal. ABANO tem como cenário uma praia virtual, um espaço de desolação, mas simultaneamente de esperança, de reinício de vida, inspirada na Praia do Abano junto ao Guincho, Cabo da Roca, Cascais.

Os refugiados somos também nós. O movimento é global, com tendência de agravamento, por força das guerras, da pressão demográfica, da pobreza e das alterações climáticas; numa Terra aflita e doente. Nos países Ocidentais experimentamos um desenvolvimento invejável, embora desigual, em que alguma coesão social, sustentada por índices positivos de qualidade de vida, vai evitando o descalabro, não iludindo, todavia, a fragilidade de um sistema económico-social em crise. A democracia, no seu mérito indiscutível, está em risco e é nesta urgência de perspetivar o desenvolvimento humano de forma mais integrada e sustentável que ABANO “abana”.

SINOPSE

Num palco vazio dois actores ensaiam, tentando fazer um espectáculo sobre a guerra e os refugiados. Para isso contam com a ajuda de um jovem refugiado, que partilha com eles os seus testemunhos de vida: a sua rota de sobrevivência e esperança até chegar a Portugal. A dado momento outros jovens e crianças, refugiadas e não só, juntam-se à aventura: o teatro pode dar lugar a uma praia, a praia do Abano, onde podemos, onde queremos, ser felizes.

Abano, um espectáculo que te vai deixar abananado!

Abano é sobre a guerra, os refugiados, a sobrevivência e a esperança.

Abano é trágico e divertido. Abano baseia-se em factos da vida de refugiados.

Abano é teatro, Abano é vida!

Abano, abana-te, porque os outros, os outros, somos nós!

No Auditório Taguspark, em Oeiras, dias 16 e 17 de setembro, às 21h00.

Texto de Carlos J. Pessoa

Encenação de Carlos J. Pessoa e Paulo Sousa Costa

Interpretação de Ana Palma, Fayaz Khedri e João Didelet

M/12

Reservas:

938 339 850 ou bilheteirataguspark@yellowstarcompany.com

Bilhetes disponíveis em bol.pt e locais habituais.

PVP 12,00€

ACOLHIMENTO TEATRO DA GARAGEM

07 a 10 de SET | QUI a DOM | QUI a SÁB às 19H30 | DOM às 16h30 | Teatro Taborda

O DIÁRIO, de Teatro dos ALOÉS

Quatro atores e um autor ensaiam um texto sobre o amor, o tema é suscetível de muitas interpretações e a construção das personagens levanta questões que os colocam em constante conflito. O texto original, toma a organização social e o impacto das pressões que se coloca à estrutura de um casal, como ponto de partida para questionar a conciliação da vida familiar e profissional, considerando a crescente dificuldade de satisfação das necessidades individuais no contexto da conjugalidade. Contrariados com o rumo que o autor desenhou para as suas personagens, os atores confrontam-se com diversos dilemas para os quais não encontram solução. Incapazes de encontrar um final consensual, o público é chamado a intervir e a sua ajuda será determinante. A intervenção do público traz a cada exibição uma variável de imprevisibilidade. É uma peça em construção: cada espetáculo é único e irrepetível.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto e Encenação: José Peixoto
Interpretação: Elsa Valentim, Jorge Silva, Raquel Oliveira e Rui Rebelo
Cenografia: José Manuel Castanheira
Figurinos: Dino Alves
Desenho de Luz: Tasso Adamopoulos
Música: Rui Rebelo
Vídeo: José Ricardo Lopes
Fotografia: José Frade
Assistente de Encenação e Direção de Cena: Filipa Melo
Construção Cenográfica e Design Gráfico: João Rodrigues
Operação Técnica: Gi Carvalho
Consultoria de Comunicação/Assessoria de Imprensa: Sofia Peralta
Direção de Produção: Daniela Sampaio
Produção Executiva: Gabriela Frade
Assistente de Produção: Ricardo Arenga
Produção: Teatro dos Aloés 2023 | M/14.

Acolhimento Teatro da Garagem

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

PROMOTOR: TEATRO DA GARAGEM

ACOLHIMENTO TEATRO DA GARAGEM

14 Out | Sáb | ENTRE AS 19H30 | Teatro Taborda

 

Lusitanian Ghosts

O colectivo Lusitanian Ghosts, cruzando cordofones regionais portugueses com uma abordagem de rock n roll internacional, apresenta o seu terceiro álbum, “Lusitanian Ghosts III”. 

Gravado e misturado em Hamburgo, em fita analógica, nos estúdios Clouds Hill, o disco é editado em duas versões em vinil, em LPs mono e stereo. 

O alinhamento do espectáculo conta com Neil Leyton, Micke Ghost, Abel Beja, ToZé Bexiga, Janne Olsson e João Sousa no colectivo actual Lusitanian Ghosts.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA 

Neil Leyton: voz
Micke Ghost: viola Amarantina, voz
Abel Beja: viola Terceira, coros
António Bexiga: viola Campaniça
Jan-Eric Olsson: baixo, viola Beirão
João Sousa: bateria, adufe

Produção: Repasseado
FOH: Nelson Canoa
Monição: Manuel Chambel
Luzes: Aldeia da Luz
Técnico de Gravação: Ricardo Ferreira
Filmagens: Miguel Barriga / Ventos de Talento
Acolhimento Teatro da Garagem 
Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura 

Mais informações:
218 854 190 | 924 213 570
producao@teatrodagaragem.com

PROMOTOR: TEATRO DA GARAGEM

ACOLHIMENTO TEATRO DA GARAGEM

21 E 23 DE JUNHO | SEX A DOM | ENTRE AS 16H00 E A 01H30
TEATRO TABORDA

Try Better, Fail Better ’23 – Fest Edition

Três dias com as primeiras criações de quatro grupos de atores no Teatro Taborda, de 21 a 23 de julho de 2023, entre as 16h00 e a 01h30.

Trata-se de um projeto que é um incentivo a novos criadores, com diferentes áreas artísticas representadas, que encontram no espaço do Teatro Taborda uma casa para realizar e apresentar os seus trabalhos a um público mais vasto.

O programa deste ano apresenta os espetáculos “Antes do Fim“, “Colateral“, “Taru” e “O Templo de enrolar um cigarro“. Produções originais que foram selecionadas através de uma Open Call e que serão submetidas à votação do público. O espetáculo mais votado terá a oportunidade de retornar ao Teatro Taborda em 2024 para apresentar a sua próxima criação.

Além das apresentações dos projetos selecionados, Try Better, Fail Better´23 – Fest Edition conta com a atuação de “Santa Barba – Minha língua na Tua“, uma experiência imersiva que levará o público numa jornada cultural.

Todas as noites após os espetáculos, o público será convidado a participar de nossa Silent Party no Jardim, com orientação musical de Mr. Bubble e participação de DJ’s convidados.

Try Better, Fail Better´23 – Fest Edition é um evento que celebra a arte em todas as suas formas. Pretende-se criar uma atmosfera acolhedora e inclusiva, onde artistas e público partilham o mesmo espaço, afirmando-se como um dos festivais de arte de Lisboa.

Acolhimento Teatro da Garagem

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior

Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura

PROMOTOR: Teatro da Garagem

ACOLHIMENTO TEATRO DA GARAGEM

3 a 4 DE JUNHO | SÁB E DOM às 16h00 
TEATRO TABORDA

O Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas, FIMFA Lx23, apresenta o workshop O Papel do Dinheiro , nos dias 3 a 4 de junho de 2023, no Teatro Taborda.

Num mundo virado ao contrário, o Grande Palco das Artes da Marioneta regressa com uma edição de contrastes, entre o micro e o macro. Atores, bailarinos, marionetistas ou músicos, quer estejam no palco ou em dispositivos surpreendentes, sozinhos ou em grupo, com miniaturas ou estruturas gigantes, misturam formas, dinamitam as normas e conseguem construir universos a partir de qualquer tipo de objeto ou material, num caminho marcado pela descoberta, experimentação e partilha… ou seja, chegou o FIMFA, onde as coisas ganham vida!

No Teatro Taborda é apresentado O Papel do Dinheiro, da companhia portuguesa Mala Voadora, que visita o FIMFA pela primeira vez, com uma pequena história do mundo em pequenos pedaços de papel, que parte da anatomia do papel-moeda e nos leva por vários países, num espetáculo para ver em família. Gavin Glover dirige o workshop internacional Teatro e Microcinema. Projeto desenvolvido no âmbito do Projeto Europeu IMPULSE! New Focus on Puppetry and Visual Theatre. Um teatro de todas as matérias – as artes da marioneta para ver e pensar o mundo com um outro olhar.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Direção: Jorge Andrade
Texto: Miguel Rocha
Interpretação: Bruno Soares Nogueira e Pedro Moldão
Cenografia e figurinos: José Capela
Sonoplastia: Sérgio Delgado
Direção técnica: João Fonte
Edição de imagem: António MV
Direção de produção: Cláudia Teixeira
Produção: Miguel Mendes e Sofia Freitas
Comunicação: Sara Cunha
Coprodução: LU.CA – Teatro Luís de Camões
Estrutura financiada por: República Portuguesa – Ministério da Cultura | Direção-Geral das Artes
Técnica: animação e manipulação em direto
Idioma: Português Público-alvo: +6 Duração: 40 min.

Acolhimento Teatro da Garagem

Apoios Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Junta de Freguesia de Santa Maria Maior
Financiamento Direção-Geral das Artes, Governo de Portugal | Ministério da Cultura